segunda-feira, 19 de junho de 2017

em memória

A aflição dos que se foram
a dor que terá sido,
essa,
não me consinto imaginar,
recuso.
Penso, sim, nos vivos:
pais e mães e avós e filhos
(sobretudo esses)
Atormenta-me a dor que lhes imagino.
Que cada um saiba onde buscar alívio,
desejo,
eu que nem sei de shivas ou deuses gato
ou mesmo jesus cristo, ou o todo poderoso
santos e virgens
anjos...
Eu egoísta,
eu amarfanhada do meu medo,
penso neles e,
ignorante dos desígnios dos céus, balbucio:
não suportaria uma dor semelhante.
E, porque não sei outro modo,
finjo que oro.




Pedrógão Grande

1 comentário:

wind disse...

Escreves soberbamente aquilo que também sentimos!
Beijos

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein