domingo, 14 de agosto de 2016

eu pecadora...



não tenho deuses a quem peça perdão por faltas que cometa
nem um Deus que tema no interior mais profundo de mim mesma
sou ímpia
mas sinto, e nem será virtude e sim pecado grave
sinto a benção dos céus a cada passo
blasfemo
será isso que faço
seria mulher de arder em fogueira
e nunca se sabe o que me espera
que eu, à luz do que para aí oiço e vejo, sou mesmo uma peste
o que eu não sou é mulher de duas caras
nem sou senhora de dar esmola à "pobrezinha" sem a sentar na minha mesa ou dar-lhe banho e lavar-lhe a roupa se o cheiro me incomoda, ir com ela ao juiz ou ao centro de emprego se não sabe dizer ou não percebe
mas tenho em mim um defeito monstro
por ele, estou em crer que perderei o paraíso, se ele existe
tenho pouca pachorra para a imbecilidade
para além de detestar os reaccionários e os fascistas
e mesmo apenas os que entendem natural que muitos trabalhem por salário
a fazer crescer em flecha a riqueza de poucos
e abomino os meninos armados em finos
e todos os que querem parecer o que não são
mas, mais ainda, abomino certas mulheres
senhoras é como elas gostam
tias é como muitos as chamam
mas eu nem sei se são apenas essas do estereotipo que me incomodam
são mulheres nem sempre assim tão estúpidas
as mesmo estúpidas, essas, va de retro
que olham do seu reino de virtudes
nem sempre escassas, aceito, e dá-me pena
olham uns e outros como se fossem os seres inferiores que elas aprenderam a afugentar tanto ou mais do que os ratos e baratas que abundam pelas casas herdadas de gerações de avós que, muitos deles, moiraram e elas dizem condes e marqueses ou ricos industriais
ou as outras, sem heranças nem louros, e que têm atitude semelhante
mulheres
eles são outro modo
detesto e pronto
que eu fui criada por mãe que viu muita miséria
mulher de virtudes
alma boa
e do pai nem digo a história
gente que me deu o que não tinha e
mais que tudo
deu-me um quadro onde está escrita a moral que sigo
e deu-me o respeito imenso pelo invisível seja ele 
o espectro electromagnético
as almas penadas
ou os deuses


(ah! esqueci-me de dizer que não gosto de gente que se presume isto e mais aquilo e escreve 
“à horas que estou à espera” ou “ gostei de lhe ver” )

1 comentário:

wind disse...

Fabuloso!
Penso o mesmo:)
Beijos

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein