domingo, 7 de agosto de 2016

tristezas





se as tristezas da gente tivessem 100 paptitas como tem aquele bicho
se por cada patita a tristeza fugisse
mas as tristezas terão patas, sim, mas das que agarram
patitas como as da carraça
ou terão ventosas
terminais imensos recobertos

como eu gostaria de as retirar daqui onde
de vez em quando
fazem gala em visitar-me

nunca vem apenas uma
ou sim...
vem uma e instala-se
remexe-se, barafunda-me, recorda-me
depois...
corna
mula
tristezas são sempre umas filhas da puta
depois...
chama outras
desenterra mistérios
coisas muito antigas

tristezas mansas vêm vindo
quase elegantes
e ficam, assim, às quatro e às cinco

tem vezes que se entretêm
se embaralham
grasnam, vociferam
mas há aquele momento em que se calam
duas, três ou quatro tristezas em silêncio
digo-vos que é obra
um silêncio que é só olhos
apenas imagens sem palavras
é aí, quando elas nem se ouvem
porra, porrra
é aí que eu adorava que tivessem patas e se fossem

2 comentários:

wind disse...

É de facto um caraças quando elas andam por aí e exprimiste isso muito bem!:)
Adoro como descreves os sentimentos:)
Beijos

Alla Leopoldina disse...

Estão abertas as inscrições para o 25º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos.

​Inscreva-se no 25º Concurso Nacional de Poesias Augusto dos Anjos:
​https://goo.gl/forms/4VEVrfCf0bhhtFPl2

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein