segunda-feira, 22 de novembro de 2010

outros tempos...

estou sentada na beirinha do tamborete  com a caneta a borrar-me os dedos
 já escrevi três vezes: " se fosse..." e em todas elas deixei a escrita em suspenso
entra pela tarde um ventinho morno e eu tenho o pé direito inchado que me caíu em cima uma trave -os pedreiros deixaram encostada na entrada do quintal, e eu esbarrei com a saia e a barra de madeira caiu-me direitinha no sapato
e dói-me
por isso, ou porque nada mais me ocorre, ou porque o tal ventinho levanta a borda do papel e entorna a tinta quando molho o aparo, ou sei lá eu por que razão, tornei a escrever: " se fosse..."
é a quarta vez que o faço
mas agora prossigo
se fosse antigamente...
ai se fosse quando havia canetas e computadores...
se fosse nesse tempo a que chamam futuro, eu podia até estar a ver o meu Zé Augusto que foi assentar praça como se eu estivesse lá com ele e ele aqui comigo no banco do jardim
que ele nem se lembra disso, mas eu lembro-me bem que havia os PC's que se podiam levar de um lado para o outro
mas tudo muda num instamnte e agora nem falar pelo tememóvel posso - se nem telefone com fio, já existe!
a vida tem o seu fluxo e a gente contra isso nada pode...

4 comentários:

wind disse...

Escritora, adorei este passado no futuro:)
Beijos

Dona Sra. Urtigão disse...

Porque me lembrei de Kerouac?

expressodalinha disse...

BACK TO THE FUTURE...

Anónimo disse...

ООО, Эта великолепная мысль придется как раз кстати

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein