segunda-feira, 25 de maio de 2009

a mala

Todos andámos na terceira classe. Um dia. Todos tivemos um bibe mais ou menos branco ou de quadradinhos ou uma saia de pregas em azul-escuro e um casaco com botões amarelos.
Mas nem todos tivemos uma mala de cartão debruado a metal fininho.
Nada sequer de especial: placas de cartão prensado a formarem uma caixa. Uma mala normal. Diferia apenas que a mala de uma menina da terceira classe tinha, ao menos a minha sei que tinha, um mistério. Um mistério enorme para além dos cadernos de linhas e da lousa e do livro de leitura com uma capa colorida onde os meninos corriam a sorrir e a segurar bandeiras.
A minha mala era castanha com uma asa arredondada e exalava um cheiro inebriante. Um odor intenso.
Eles a chamarem: anda jogar ao prego, ao manecas, anda saltar á corda. Eles a chamarem-me que brincasse e eu de volta do abrir e fechar da mala. Eu a deliciar-me.
Durou uns dias e passou-me.
No Natal já eu abria e fechava a mala a retirar a caneta de aparo e o mata-borrão rosado e nada de pensar em cheiros.
Joguei muitos jogos, esfolei os joelhos, rasguei bibes e o cós das saias. Brinquei. Nem me lembro bem como, nem com quem, mas o cheiro da mala nunca o esqueci.
Hoje veio-me às narinas esse odor tão raro.
Um cheiro que seria apenas resultante do paninho de apagar a lousa misturado com restos de borracha soltos. Ou seria o cheiro da cola de que era feita a mala. Ou seria disso tudo e mais do sabão azul e branco com que era lavado o guardanapo que me levava o lanche.
No entanto, era um cheiro mágico, garanto.
Um cheiro que nem terá, assim, uma explicação. Que nem seria um cheiro com origem em moléculas mais ou menos esquisitas.
Estou plenamente convencida. Era um cheiro especial.
Um odor sentido apenas por cada menina que andasse na terceira classe e tivesse uma mala de cartão prensado.
Naquele tempo, claro.

5 comentários:

Paula Raposo disse...

Que maravilha esse cheiro mágico! Adorei ler-te...como sempre! Beijinhos.

arion disse...

Esses cheiros da infância, quando voltam... Acreditas que ainda me lembro do cheiro da borracha que vinha no estojo que me compraram para a 1.ª classe? Beijo!

samartaime disse...

O que mais lembro é do cheiro os cajueiros. Acho que ninguem esquece o cheiro do caju maduro.

wind disse...

Escritora, que bom recordar a tua e minha infância:)
Tal como tu, também tive malas de cartão a cheirarem muito bem, canetas de tinta permanente, tinteiros, usei uma bata azul e branca, brinquei no recreio que me fartei,...:)
Muito boa esta tua "estória":)
Beijos

Mena G disse...

Coisa boa esta, Fátima.
Eu lembro-me perfeitamente do cheiro da tinta, quando molhava o aparo da caneta,meia lata meio pau, e o medo que tinha do borrão na folha.
Que bem cheiravam essas letras!
;)

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein