sábado, 18 de março de 2006

...das Quitandeiras


Apareciam pela tardinha, se é que se pode em África designar assim, ao declinar abrupto entre o dia e a noite. Era, apesar disso, nesse entrever da luz do sol e a escuridão profunda do planalto, que elas, sempre em fila, vinham demarcar territórios de troca, acocoradas nos degraus da escada da cozinha, onde as potenciais compradoras depositavam, pressurosas ou desconfiadas, talvez simplesmente sábias, a bacia com água avaliadora da qualidade da frágil mercadoria. Saíra da cloaca do animal nos breves dias passados ou nessa mesma tarde ou tinha sido arrancada a algum ninho abandonado?
Um a um, cuidadosamente, era avaliado cada ovo por entre o linguarejar das quitandeiras e o outro linguarejar das compradoras; umas e outras em papéis apressadamente assumidos, por vezes, apenas induzidos naquela troca.
Troca, pois era frequente uma dúzia valer uma blusa usada cuja cor ainda enfatizava o suficiente para fazer bater as mãos de palmas de um rosado como não há outro; um festim. E a blusa logo era colocada sobre o pano que nunca recobria o corpo antes deixando semi nua cada uma daquelas mulheres de uma formosura entranhada da terra que olhos estrangeiros necessitavam aprendizagem para a reconhecer.
Dos ovos, havia-os que balançavam à tona na leveza de pinto morto que já quase poderia debicar a casca que o faria, um dia, galinha ou galo. Felizmente, para quem rodeava a vasilha rasa de água, uma maioria caía a pique mostrando a sua sanidade.
Assim mesmo, nada garantia um descuido. Nunca uma pressa porque a vida decorria com tempo; com todo o tempo. Concluida a cuidada compra, poderia assim mesmo, aparecer, ao partir de um ovo, a negritude de uma pelugem em formação, mesmo uma cabecita já formada ou, intragável de igual modo, uma cicatrícula preparada a ser galináceo não fora um qualquer acaso que ao ovo acontecera.
Dependurados no corrimão da escada em posições acrobáticas, a criançada observava aquele ritual saturando-se com o odor emanado do emaranhado de corpos e panos. Acontecia, uma cabecita de olhos redondos onde ramelas adocicadas pelo poisar das moscas eram quase decoração, desprender-se do interior das vestes numa busca que sugeria o gesto certeiro, instintivo, da quitandeira jogando, para o alcance da boquita o seu seio na forma de uma pele distendida e de ar seco. Só no sugar e no escorrer leitoso que aparecia nos cantos da boca, se assegurava cada incauto da real presença de uma maternal mama.


de Lívio de Morais AQUI


11 comentários:

Arion disse...

Mas que maravilha! Então a parte da descrição da cor da blusa... Fabuloso! Bom fim-de-semana! Beijo!

wind disse...

Fantástico! Ritmado, descritivo onde se visualizam os movimentos as pessoas os animais as cores e se sentem os odores:) Bela tela! beijos

sonia disse...

belissimo, mais uma vez. e eu que tenho aqui o teu numero e ainda não te liguei... sou cá uma despassarada. :)
beijinhos

Armando disse...

olá minha querida!! Depois de 2 anos de ausência sem cá vir...ainda te lembras de mim??? E vim encontrar-te agora no Blogspot??? Minha vizinha??? ai Jesus!!Tinha saudades tuas...sabia que em breve nos haviamos de encontrar... foi hoje o dia...valeu a pêna a procura!!Mudaste de visual, ate de forma de escrita!! Gostei de te ter invadido a casa....e lembras-te daquela revolta que deixava transparecer quando escrevia no "Portugal no seu pior"? Acabou...!!!!Mudei tambem... agora mais calmo, mais romantico....ai ...ai..."Outros tempos outras mentalidades"!! Estou feliz por estar aqui e imagino a surpresa no teu rosto quando leres este comment!!(sorrisos) Agora deixa-me lá ir explorar melhor a tua casita, pois só tive o prazer de ler os 3 teus ultimos posts, a ansiedade de te cumprimentar por aqui era mais forte!!! Que bom sentir-me de novo junto daqueles que gostamos!! Obrigada por ainda existires!!!A D O R O - T E .....

Isaac disse...

Fantástico, já disseram...então, repito... FANTÁSTICO... A História sempre me seduz... e a imagem deu o toque final triunfante!

O Micróbio II disse...

Atenção...
O Micróbio mudou de casa. Agora está nesta rua:

http:\\o-microbioii.blogspot.com

legivel disse...

Neste não faço ironia (deve estar algum burro para morrer, pensarás tu.. )que a narrativa descritiva do teu texto levou-me até longe, até muito longe e apesar das moscas e ramelas, senti o calor de um continente que continua a ser tão maltratado.

lique disse...

É possível escrever as cores e os odores. É possível escrever um quadro que "vemos" á nossa frente. Está aqui a prova.
Beijão, mulher.

zé das loas disse...

com o teu fantástico talento, um recorte de geografia humana que povoa a memória cada vez mais distante. um prazer grande ler-te

O Micróbio II disse...

O Micróbio fez anos!... :-)

legivel disse...

A visitinha da ordem para saber como estás... de amores. Parece-me que sim, que está tudo bem; folgo com isso.
A chuva é que não ajuda mesmo nada... na primavera, com minúscula, pois claro; quando trouxer o Sol, então sim...

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein