domingo, 12 de junho de 2005

anúncio


mataram o teu filho, mãe

fecharam-no numa cela,
a horas certas vendaram-no
mataram o teu filho, mãe

a uma hora que não esperava
apanhou-o o estilhaço da bomba
mataram o teu filho, mãe

o estampido soltou-se da pistola do guarda
mataram o teu filho, mãe

em volta da cintura uma faixa,
a uma hora de ponta retirou a cavilha
mataram o teu filho, mãe

na beira da estrada assaltaram-no
mataram o teu filho, mãe

mataram –no, mãe...

Acordei com a notícia da morte deles e aqui fica a minha parca homenagem

de Álvaro Cunhal

Frente a frente
Nada podeis contra o amor,
Contra a cor da folhagem,
contra a carícia da espuma,
contra a luz, nada podeis.
Podeis dar-nos a morte,
a mais vil, isso podeis
- e é tão pouco!


de Eugénio de Andrade

13 comentários:

almaro disse...

os poetas(*) não morrem, ficam a sussurrar baixinho, palavras que só eles sabem, e voam, voam nas páginas em cada pedaço de esperança...

(*) todo aquele que com palavras, desenho ou sonho sente intensamente o existir

O Micróbio disse...

Deus seja misericordioso! Paz à sua alma!

lique disse...

Bonita a tua homenagem, amiga. Ficámos mais pobres neste país em que os verdadeiros homens escasseiam. E eu hoje fiquei certamente mais triste. Beijão

agua_quente disse...

De ti só esperava uma homenagem que nos tocasse verdadeiramente. Como esta. Beijos

sotavento disse...

Cá estamos, de mãos dadas nos sentires!... :)

paperl life disse...

Bonita homenagem.

Um beijo.

wind disse...

Bela homenagem que aqui fizeste. Beijos

bertus disse...

...uma homenagem sentida, a tua, a dois homens que Portugal muito fica a dever.

Fica bem!!

mfc disse...

A Eugénio porque é enorme.
A Cunhal porque é um convicto.

Cecília disse...

"A morte saiu à rua..." desemfreada e fez das suas. Três duma assentada é demais...

Dora disse...

Implacável andou a parca no início desta semana...Também acho que, por mais brilhantes, geniais, corajosos que fossem estes Homens, eles continuavam a ser, como todos os homens - estes nos seus mais de oitenta anos - os meninos de sua mãe ...Quem sabe não terá ido para elas alguns dos seus derradeiros sentimentos?

bertus disse...

...eu não escorrego; EMPURRAM-ME!!o que é completamente diverso. E a menina a rir-se; não tem vergonha?!

Não vê que até me posso magoar a sério?!

Yardbird disse...

Grandes homens do Portugal que é nosso e que parece que apostaram em se juntar para um último jantar
Beijinho, Seila

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein