quarta-feira, 11 de setembro de 2019

coisas que vou escrevendo...

 ..e ficam naquele caos que é o facebook
copio-as para aqui na esperança que, assim, nem se percam, tanto

estarei adoentada?
ter-me-ei constipado?!
nem é que espirre ou tenha o nariz pingando
mas apetecem-me sapatos em lugar destes chinelos
meto-os nos pés e é todo o santo verão
sinto necessidade dum casaquinho
outro abafo que me cubra os ombros
um xalinho
sinto, sim, frio
aqui sentada, desconsolo
vou-me agasalhar e já volto
mas ainda pergunto
ter-me-ei constipado ou isto é mesmo o fim anunciado?
tão rápido que passou o danado
veio tarde e depressa se cansou
nem me deixa saborear outro banho quentinho
far-me-ia bem se fosse mal do peito
ou nariz entupido
mas parece que é mesmo o fim
este frio que sinto
este desejo de abafo fazem pressentir que parte
pode ser que lá para o ano ressuscite
podia ter, ao menos, avisado
onde raio meti o xalinho?!
e o casaco onde terei colocado?!






sei lá se é daqui a nada
ainda em dois mil e dezanove
antes do Natal
se na década de vinte que se segue
se mais tarde...

a gente a viver como se nada fosse
a gente à espera de outro inverno
outra primavera
a gente a fazer planos
a arrumar as fotos de papel...

tem sempre como certo
e vai trauteando no banho
e compra bilhetes de avião
e vai ver dançar aquele bailarino...

a gente a tentar que não seja como tirar personagem do enredo
simplesmente apagar-lhe o nome...



não é suficiente
penitência por pecado de perjura
é pena dura
não chega bater a mão no peito em jeito de remissão
é preciso mais
que eu disse deste Verão enormidades
mentiras
falsidades
fui intempestiva com o pobre coitado
que Verão não é só Agosto
e nem necessita que se apresente desde os Santos
Setembro é mês que baste para um Verão aprimorado
e o de 2019 quis apenas mostrá-lo
do que disse me arrependo e imploro perdão
se é pouco o que aqui escrevo, deixo, em sinal de expiação
ter sido obrigada a vir nadando que se viesse fora de água arrefecia e dentro dela estava como se fosse um caldo
Verão abençoado
que os deuses dos ventos e dos mares me perdoem
que eu não torno
outro Verão que me seja dado e aguardarei, serena,
que ele venha nem que seja em Dezembro...

1 comentário:

wind disse...

Excelentes todos!
Beijos

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein