quinta-feira, 24 de abril de 2014

escola do antigamente



A minha professora da primeira classe zurzia de modo natural uma menina e outra com reguadas se pingava a folha de prova com um pingo caído do aparo ou se errava os que vão na conta de dividir ou errava os dois erres duma palavra ou dizia dezanove em vez de dezasseis a responder a quantos são quatro vezes quatro.
A minha professora batia nas palmas das mãos das suas alunas com uma régua fininha ou com a chamada menina dos cinco olhos.
Mas essa professora que tive na primeira classe e que era muito minha amiga, assim dizia a minha mãe, essa senhora que tinha pó de arroz a saltitar nos pelos do rosto rosado e bochechudo, zurzia de régua de madeira colocada em esquina quem não levasse bata branca, ou não a levasse bem lavada, ou quem, como a Adélia, não levasse cuecas a cobrir as partes.
A Adélia não as usava. Ponto.
Haverá por este termo quem tenha estado lá e tenha visto.
Perante a sala muda de receio e pasmo, sei lá se também de raivas, sei lá eu se de medo seriam as carinhas das meninas vestidinhas de bibinhos brancos em filas de carteiras certinhas, duas meninas em cada uma, e a régua a estalar nas carnes da Adélia, o rabo nu virado para a sala.
A minha professora da primeira classe, e nem era medo que lhe tinha, eu que, além da bata vincada e a luzir de alva, trazia sempre cuequinhas, cada dia umas, e um vestido por debaixo da bata que era coisa muito apreciada pela professora que levantava a ponta do bibe a ver o que cada uma trazia por baixo com o mesmo à vontade com que virava as folhas dos cadernos a ver se os tínhamos limpos.
Não seriam todas, mas era natural e aconteceu na minha primeira classe e na segunda.

1 comentário:

wind disse...

Antigamente era mesmo assim:)
Beijos

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein