sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

o meu livrinho





               Eu ontem escrevi ali num comentárioe o que eu devia era ter saído correndo a ver a caixa do correio!
 Fiz isso, um dia atrás do outro, sempre  pela manhãzinha, mas hoje demorei-me, deixei para mais tarde, e o livrinho lá ficou o dia todo ao frio deste dia de inverno.
O livrinho ali abandonado, terá até lamuriado:
Eduardo, esta portuguesa tarda em fazer como você disse que ela faria…e agora escurece e está frio...
você comentou que ela era meio doida...era esta, não era?! e se ela não me pega?! 
Terá sido assim que terá estado o meu livrinho, e eu não me perdoo, ainda mais porque, quando abri a portinhola do correio, em vez de acarinhá-lo, colocá-lo amorosamente junto ao seio, tirá-lo de imediato de dentro daquele envelope, não o fiz, não! Egoísta, a dar-me tempo de poder desfrutá-lo com sossego, ergui-o na minha mão, a gritar ao maridão que me esperava no passeio: 
chegou ! cá está ele! 
e o coitado morrendo de frio e de cansaço.
Ah! mas depois foi lareirinha com lume crepitando e foi eu no sofá a folheá-lo! E ele, sabe, Eduardo, o seu livrinho, dizia-me a cada palavra, a cada frase, a cada virar de página que eu fazia:
que beleza de livro fez o nosso Eduardo, não é Maria de Fátima?! 
Sabia até o meu nome! Que bem industriado vinha! 
E a dizer-me, vaidoso:
que bem estruturado! que elegante! 
você não tá achando isso?! 
um mimo! um fazer de mestre esse modo de ir dizendo dos amigos, e assim naturalmente, levezinho, a dizer o modo como eu fui aparecendo e ainda tecer considerações (sábias, não acha do que já viu?!) sobre essa vida de ter blogues e alimentá-los!
Por demais este livro do Eduardo! exclamei eu em voz alta ali na sala onde a família via o noticiário. Eu sem poder conter-me, e o livrinho sempre cutucando:
estou vendo que você está gostando, e nem precisa estar falando isso, que eu noto no jeitinho de você virar a folha, no modo como vai passando o dedo... e nem imagina como isso me deixa tão contente!
e, diga-me, não é mesmo verdade que a capa é muito, mas muito mais bonita assim na realidade?! 
estou vaidoso de me estar gostando tanto!
diga isso ao Eduardo! pediu-me ele.
diga também que eu agradeço muito que me tenha mandado para as suas mãos! 
e diga-lhe obrigada
não esqueça de lhe dizer: obrigadão meu caro Eduardo, muito e muito obrigada por me ter enviado! 
E quando lhe coloquei uma marca de página a guardá-lo para outra rodada de leitura, ele pediu-me:
promete que amanhã me pega outro niquinho ?!
Deixou-me extasiada este livrinho.
Tanto que nem consigo dizer mais. 


Ah! Eduardo! ele segredou-me, e nem sei que crédito lhe encontre, que lá na página não sei quantos, eu iria encontrar sítio que, tocando, saltaria o calor igual da sua mão. Não me diga se é verdade ou não. Ainda não cheguei lá, mas depois conto… 

4 comentários:

Eduardo P.L disse...

Ao vir aqui deixar meu abraço de agradecimento pela sua postagem e linda divulgação, encontrei as palavras: " SEM COMENTÁRIOS ". Eu fui o primeiro, e como dizia logo acima: sem comentários. Muito obrigado, Maria de Fátima.

wind disse...

Que maravilha de leitura de apresentação de um livro.
Só tu mesmo:)
Apetece também ler:)
Beijos

expressodalinha disse...

Muito bom, Fátima. E o livro é excelente.

Luis Bento disse...

O Eduardo tem razão...Ninguém vai reler um blog ao fim de três, quatro ou cinco anos, mas um livro... a gente sempre lê e relê. O que me atrai mais é a simplicidade com que encarou o projecto e com que fala de si próprio . A selecção dos textos, o humor... Essa é a grande vantagem do mundo virtual: Estamos todos no mesmo caminho desfrutando da benesse de partilhar as palavras do Eduardo...

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein