terça-feira, 13 de setembro de 2011

eu assim entendo...

um sentimento acre que corrói o corpo
é causa, presumo, de ferimentos gangrenados nas partes moles
não foi disso que morreu o Raimundo? não foi de um ódio que ele ruminou em vida? não terá sido desse desamor intenso que lhe apareceu aquele prurido malcheiroso mesmo na zona em que o corpo se abre para dar saída à merda que tem dentro?
a mim sempre me pareceu...
convenci-me que tinha sido desses ódios, que não se deram em murros nem em tiros, nem sequer em desaforos: ódios calados que lhe foram roendo as carnes, destruindo, antes que tudo, a alma - uma vida inteira chafurdando nos seus próprios males...
eu convenci-me que gangrena e sarna e coisas dessas que dão em apodrecer o corpo, é mal de gente que tem dentro um sentimento do demónio
ou...
que deus me guarde!
que lhe deram um mal
alguém que, calado, o vem odiando
não terá sido disso que tonteou a Mariana e ficou falando pelos cantos o bom do Cipriano?
eu entendo...
que foi tal e qual aconteceu com o sobrinho do Raimundo...
disseram-me ainda há nada que deu fim aos seus parcos dias afogado no poço
que deus seja louvado!

1 comentário:

wind disse...

Esse ódio é terrível!:)
Beijos

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein