terça-feira, 19 de abril de 2011

oremos

se eu rezasse 
se eu pusesse as mãos unidas e orasse:
"Senhor dos céus, lá nas alturas..."
se eu soubesse padre-nossos ou ladaínhas
mas eu quebrei o terço de contas brancas que me deram
e o livro de orações deixei-o ao sol e à chuva
encarquilhou-se, corroeu as folhas, e das letras só vislumbro borrões ilegíveis
resta-me balbuciar uns versos sem mais sentido do que serem
eles em vez de preces:
"deuses dessa imensidão que é o Universo
atendei o rogo desta humilde serva
intercedei para que seja de boa parição a sua hora
que tenha a mama abarrotada de néctar
que não lhe falte o pão, o mel, a água
e na hora do parto, dai-lhe,
Senhor Deus do Universo,
Vós que reinais sobre os outros deuses,
concedei-lhe aquele quanto baste de energia!
disso, eu hoje Vos rogo e agradeço!"

eu orando, assim, como se fosse...

3 comentários:

Benó disse...

...e que a hora seja de boa parição e que seja bem pequenina. Assim seja.
Um abraço, Maria de Fátima.

expressodalinha disse...

E como se fosse, foi.

wind disse...

Boa Páscoa, Escritora:)
Beijos

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein