terça-feira, 28 de dezembro de 2010

meia noite

Tá louca, menina. Descontraia que isso dos relógios parados é coisa contornável. Notícia de brincadeira, essa de terem parado todos os relógios. Também só mesmo a menina para acreditar em tudo! Mas se fosse assim nem seria drama. tempo de relógio é coisa desprecisa. Talvez um calendário para ir dando uma visão sobre as colheitas, o começo da estação das chuvas, a Primavera e o Outono. E ainda assim a natureza se encarrega.
Não sabe onde está a meia noite?! Ora! ora! Chora de não saber quando gritar VIVA?! Tolice, minha amiga! Deixe que logo aparece o sol a dizer-lhe que é um novo dia. Desligue esse telemóvel a falar com um e outro sobre uma notícia tão tola e cuide de ver o tempo a escorrer no sol que nasce.  Depois, ele há-de esconder-se e saberá que fluiu um dia.
Que canseira essa de querer dividir a vida em antes e depois!


Garota! Gizela!  ainda por aqui, menina?! Passou um ano inteiro! Nem foi ao emprego, nem tratou da casa?! Olhe, criou até piolho. Não fez nada de nada?!
Coisa feia essa de ser dependente do tempo marcado no relógio! Param os ponteiros e esta gente acha que não tem mais tempo para fazer vida!
Chiça! Olha-os espalhados por aí esperando.
Gizela, acorde desse torpor, menina!
Sabe que tive filho?! Uma menina nascida de nove luas inteirinhas e nem precisei ver no calendário.
Que o tempo não parou coisa nenhuma! Tá rodando a lua em nosso torno e o nosso planeta em volta da estrela.
Levante-se daí Gizela e venha sentir o ritmo do seu corpo.

2 comentários:

wind disse...

O tempo somos nós que o fazemos:)
Escritora, desejo-te um óptimo 2011!
Beijos

expressodalinha disse...

Não seio do que estrás a falà... receio a lua que sobrevém no pique da conjugação.

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein