terça-feira, 6 de abril de 2010

meninas?!





A senhora já de muita idade, foi-me contando :
- Eram duas mecinhas que teriam aí treze anos.
E a confirmar-se emendou:
- Sei lá se não teriam catorze...
E ainda, antes de me contar o caso, mas já depois de ter precisado o onde andava e a razão de estar naquele largo, atravessando, dizia -me:
- Tinha ido ao correio da Ameijeira e vinha descendo: ia mesmo a atravessar junto à rotunda, cá em baixo, apareceram duas moças a pedirem: dê-me um euro que a gente vai para o Sargaçal e na temes dinheire para a caminete
A contar-me, imitava o jeito de falar da garota e dizia-me:
- Uma era branca e a outra era preta...
E eu que me surpreendo, mas apenas porque não sabia o que seria o desenrolar do que ela me contava e calei-me a ouvi-la:
   - Abri o porta moedas e ...
aqui interrompi-a: se faz isso e um dia destes roubam-na, e no entanto, creio que nem ela me ouvia a falar em uníssono, que nem seria o roubo o importante.
   - Perguntei-lhes: mas vocês vão daqui para tão longe, mesmo?
E diz que as duas meninas, a afastarem-se, desataram a gritar: olha a velha acreditou e mais alto ainda é mentira, repetido aos gritos e a rirem que a referida senhora diz que, sem ver vivalma no caminho, teve receio das moças que foi o termo que empregou:
   - Quase que tive medo das moças a rirem e a gritarem daquele modo e sempre atrás de mim até à muralha.
   A ouvir atenta, cuidei que tivesse terminado. Mas ela continuou contando.
   - Atão não é que ontem...
e teriam passado uns dias de permeio
   - ... ia eu chegando à biblioteca
e lá disse ao que ia naquele fim de tarde.
   E foi contando que viu vir, a subir a rua da biblioteca, vinda do lado do hospital, uma criatura (o termo empregue foi mesmo este a referir-se a uma outra senhora assim para a mesma idade o que quererá dizer oitenta já muito passados) e dizia que a outra vinha muito perturbada, que lhe disse que ali, antes do hospital, duas moças...
   E ela falando quase tal qual me contou :
   - Fiquei sem pinga de sangue, que nem quis acreditar que eram as mesmas duas, uma preta e outra branca, a subirem a rua atrás da mulher : as mesmas moças do outro dia, e ficaram paradas, na maior desfaçatez, enquanto a senhora me contava que lhe atiraram uma pedra, que bateu aqui, e apontava o tornozelo, e que vieram a chamarem nomes malcriados, desde lá de baixo, e a dizerem se foges a gente ainda te joga mais.
e eu espantando-me e ela a continuar:
   - Nem imaginas: a criatura estava mesmo assustada! Pudera! E as moças, encostadas na parede do outro lado da rua a rirem, e eu com um nervoso, que me apetecia era bater-lhes e ainda lhes falei: não têm vergonha?
   Eu, que ouvia, pasmada de ser verdade e me estar a ser contado, devo ter exclamado alguma tonteira de que nem me lembro, e era já ela dizendo:
   - Atão não é que, quando iamos entrando, uma delas se aproxima da porta da biblioteca e se chega mesmo em cima de mim, a dizer: sua puta não tens mais nada que fazer que me andares a seguir.
Sabes que tive vergonha?!
  
   E terminava o conto a deixar-me sem fala.
   E eu que ouvi e me espanto, deixo o resgisto do que é verdade e se passou na nossa cidade com os nossos velhos que merecem respeito.
   Que pensar disto? acaso? caso de polícia?
e se acontecer com quem, e seja eu o exemplo disso, sem pachorra para meninas malcriadas por aí à solta na cidade, lhes der um par de estalos?
ou será um caso de crianças a precisarem de carinho?!...
alguém deve saber que acontecem casos destes e como os resolver
eu por mim conto e espero que seja apenas um caso isolado a ser sanado
 
 
 
 
Publicado no blog Lagos

4 comentários:

expressodalinha disse...

O Reino dos Algarves sempre foi estranho... desde o Remexido a outros Cónios. Se quiseres vê hoje a minha crónica no Olhar Direito (via Expresso). Beijos.

mac disse...

São crianças em necessidade tanto de carinho como de estalos, o que lhes sobra é a indiferença.

Será alguém capaz de lhes dar o que necessitam?

Duvido, JC bateu as botas há 2000 anos e os sucessores não são a mesma coisa. De outros não falo que não sei mas pelo que vejo anda tudo na mesma...

Na nossa humana capacidade, Maria, foge se te aparecerem 2 jovens tristes e cheias de bocas, uma preta e outra branca. Ou mesmo se uma for azul e outra latranja, foge na mesma.

wind disse...

Escritora, infelizmente não é um caso isolado.
Há muito mais raparigas e rapazes assim por aí!
Talvez em criança não tivessem o tal carinho, mas agora o que apetece é dar um bom par de estalos!
Beijos

日月神教-向左使 disse...

av女優,aio,a片,日本a片,色情a片,成人影城,A片下載,情色,色情網站,色情影片,嘟嘟情人色網,成人網站,18成人,成人圖片區,成人貼圖站,微風成人,做愛,成人短片,性愛,三級片,無碼,a漫,h漫,自拍貼圖,85cc免費影片,走光,成人電影,成人影片,A片,A片下載,情色貼圖,情色,色情,a片,a片,a片

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein