sexta-feira, 24 de abril de 2009

fico ainda sem palavras



Era um mês igual ao que fora antes, mas era um Abril diverso no arrepio que vinha nas estrias dos discos, nas entrelinhas de poemas, canções e demais textos. Entretecido em letras de rodapé, ou nos cabeçalhos de jornais, o grito amordaçado desejava soltar-se, o riso queria ouvir-se e o choro queria ser lágrima e abraço. E nunca mais o sangue, a morte.

E nunca mais o risco a cobrir de azul a Liberdade.

3 comentários:

efe disse...

Um sonho lindo de ontem transformado num pesadelo de hoje.

samartaime disse...

Esperemos que abram os olhos a tempo. Ou irão aprender à força o que significa 25 de Abril sempre!

Abraço!

wind disse...

Escritora, bela maneira de comemorar o 25 de Abril:)
Beijos

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein