sexta-feira, 13 de março de 2009

A como está o carapau

tema O DESEJO da Tertúlia Virtual
Ela perguntou, apontando o peixe e sentindo que era a primeira vez que falava desde há horas. Perguntou distraída:
- A como está o carapau?
- Dois mil réis, madama. - respondeu a peixeira e já ela ia andando.
Ela andando e a vendedeira com as palavras dependuradas do grito, mais censura que rogo:
- Venha cá minha carinha de anjo…. não gosta do meu carapau?
E ela seguindo, que sempre a deliciara ouvi-las naquele afã de fazer pela vida. E a mulher do carapau fresquinho arrematava impropérios na direcção da camisola muito branca que Maria do Carmo vestira ainda há pouco.
Maria do Carmo a olhar noutra banca uma chaputa de olho arregalado apesar de muito morta. E a vendedeira de carapau que ainda a chama:
- Minha puta sem vergonha a desfazer no meu peixe. Badalhoca…
Maria do Carmo ri-se à socapa e apreça duas postas.
Ela que nem sabe se dormiu ou simplesmente rebolou ainda uma e outra vez debaixo dele, por cima dele, ao lado dele na cama e no soalho e nem sabe mais senão que havia um bidé com suporte de ferro por detrás de um cortinado soprado pela brisa fria que vinha de uma greta da janela empenada. Ela comprando peixe para fazer tempo. Tempo de dizer em casa, simplesmente:
- Bom dia! Não consegui telefonar. Fiquei por lá.
Um costume de anos: dormir num hotel se demorava mais com uma consulta ou estava mau tempo para se fazer à estrada.
Nem se incomodaria a dizer ao marido onde dormira. Nem Xavier lho perguntaria. Mas para isso era preciso que chegasse à hora de outros dias semelhantes. Ao Xavier nem sequer lhe cheirariam os húmus dessa noite. Talvez sentisse o cheiro a peixe. Ou talvez nem ficasse perto dela o suficiente.

Maria do Carmo comprou duas postas de chaputa e recebeu uma nota húmida que esfregou na mão como se fosse outra a humidade que sentia. Sorriu-se dela mesma e meteu a nota na carteira. Olhou de longe a peixeira que agora apregoava carapau vivinho, minhas meninas.
A mulher a chamar-lhe badalhoca e ela que nem lavada dos humores daquela noite. Sorriu de novo.

Tinha sido um acaso. Fora tomar café na salinha ao lado da sala de audiências. A sala muito cheia. Ela cheirou-lhe a alfazema. Voltou-se em busca desse odor e ele sorriu-lhe do meio da fragrância de perfume barato e passou-lhe um pacote de açúcar. E ela ficou adoçando o café num tremor esquecido que era sentir o desejo a percorrer-lhe o corpo. E ele num sussurro, percebendo:
- Poderemos jantar esta noite? - assim. Sem mais nem menos.
E a saia dela, uma saia comprida com duas pregas fundas, acusando interiores muito esquecidos. E ele sorrindo a esperar um sinal positivo:
- Aqui às sete. Está bem para si?
Ela deve ter-lhe acenado um sim antes de voltarem todos à sala de julgamentos.

Às sete estava lá. Esfusiante.
Não foi decerto ela quem disse que aquele hotel era um local discreto. Ela simplesmente terá acedido, toldada a capacidade de decidir o que quer que fosse. Era como estaria ela: numa bebedeira. Toda embrulhada no desejo. Um desejo desmesurado, intenso. Um desejo de sexo. Simplesmente. Assim. Sem mais nem menos.

Colocou o saco com o peixe no interior da pasta. Os papéis daquele processo ficariam a feder a chaputa fresca. Sorriu. Olhou o relógio. Sete e quarenta. Podia ir andando. Parara a fazer tempo na periferia. Em dez minutos estaria no seu bairro. Por baixo do casaco de fazenda castanha, a camisola branca impecável. Apesar da noite: ela nuazinha numa cama de um hotel de terceira. Uma noite inteira até ser madrugada.

- Às sete?
Foi o que ele perguntou, meio deitado sob o lençol de flanela com flores: azul desbotado. A tatuagem, mil novecentos e setenta e dois, sobrando do lençol. E ela rememorando o que tinha lido: Amor de mãe. Escrito por baixo. Não respondeu. Pegou na carteira e saiu do quarto. Nem sequer até mais ou tem um bom dia. Percebeu isso, quando descia a escada forrada com um linóleo às flores. E sorriu-se.

- Bom dia, Maria do Carmo. Ficaste por lá?
O marido saía de casa atrasado para uma reunião. Acenou-lhe a sair da garagem. Cruzaram-se os dois carros, lado a lado.

O duche limpa-lhe restos de saliva e cordões de esperma. Maria do Carmo sabe-os onde. Cobre com as mãos os locais da noite. Deixa escorrer a água e lava-os com sabonete de algas.
Sob o duche morno permanece, amaciado mas desperto, o desejo.
O duche não lhe limpa tudo.

Maria do Carmo grita por cima do soar da água.
- Às sete.
E ri-se alto enrolando o cabelo molhado na toalha a fazer um turbante.
texto original publicado na revista SAMIZDAT
e não deixe de ver mais sobre O DESEJO AQUI

27 comentários:

João Menéres disse...

Boa história para ilustrar o DESEJO.

Milouska disse...

O DESEJO explicitado num belo texto.

jugioli disse...

O desejo de uma forma bem interessante.

JU

wind disse...

Escritora, excelente "estória" descritiva sensual:)
Beijos

Marques Correia disse...

Very good!

Anónimo disse...

:)

(gosto de smileys mas não abuso do seu uso)


cg

Jorge C. Reis disse...

Li e gostei muito. Parabéns

Chica disse...

Muita criatividade e beleza!um beijo,chica

Eduardo P.L disse...

Ótimo texto. Desejo muito bem escrito e contado! Muito apropriado para esta Terulia! Agradeço, Maria de Fatima sua participação que muito nos honrou!
Contamos com você nas próximas!

Luis Bento disse...

Estou siderado! Quanta criatividade, quanta sensualidade, numa narrativa simples, sem mácula e plena de ironia. Que bem que se escreve aqui... neste espaço de bom gosto. Obviamente sigo-a!

Maria Augusta disse...

Texto muito bem escrito, descrevendo a forma de desejo que perpetua a espécie, pois é o mais intenso.
Parabéns e bom domingo.

erupção_do_ser disse...

Realmente está excelente... tenho a certeza que fiquei com a sensação que o desejo é interminável...
Abraço

Pat Rocha disse...

Leitura de um só fôlego!
Uma delícia!!!

beijo
Pat

Christi... disse...

O Desejo nas palavras em textos sutis e fortes.

Gostei muito, bjs e ótimo domingo

Chris

disse...

Tão real que chega a incomodar...beleza pura!

Gaspar de Jesus disse...

Maria de Fátima
Chguei para fazer uma leitura na diagonal, mas acredite fiquei siderado com a beleza deste texto!
Li e Reli...!
Que maravilha!
Parabéns
Gaspar de Jesus

Sueli disse...

Sensualidade com pitadas de deliciosa safadeza. Gostei muito! Parabéns!

António Oliveira disse...

Irrepreensível.
Gostei muito.
Parabéns.

Blog do Beagle disse...

Amei!!!!!!!! Elza

Georgia disse...

Belo conto e seu desejo.

Abracos

Marta disse...

Confesso: eu vinha, assim, num instante - sentido - mas num instante, agradecer-lhe as suas palavras. Mas demorei-me, com prazer, nas suas! Nestas. E já não regresso, sem elas. Porque já me disseram muito. E o que nos diz, vai connosco...
Obrigada Maria de Fátima :)

Claire disse...

Li ontem e hj voltei, Gracias C de me ter indicado o caminho.
Maria de Fátima, muito prazer, nos desejos ;-)

josé jaime disse...

Interessante...

Compondo o olhar ... disse...

gostei da tua criatividade... muito legal!! parabens pela bela participação desta blogagem coletiva!!!

abraços

entremares disse...

Gostei muito...
A sério.
Parabéns.

Dulcineia (Lília) disse...

Fátima,
Um "desejo" que faz pensar...
No esquecimento do desejo, nos desencontros, no alheamento do outro, nos remorsos ausentes quando tudo o resto está ausente...
O ficarmos cientes dõ desejo que, mesmo adormecido, a qualquer altura pode despertar. Intenso, alheio a quem o desperta, apenas ele...
Ri-me do humor irónico (até do peixe escolhido, rs)
Tenho que aqui vir mais vezes...com calma!
Obrigada pelã tua passagem no arco-íris! Nesta 6ª, o post, é da Cris e no dia 1 , não percas o do Gustavo (papagaiomudo) - continuação do post de 1 de Março.
Beijinhos, volta sempre. Critica, com ironia e humor

Eduardo Santos disse...

Olá amiga. Foi um prazer a leitura do seu texto. Simplicidade na descrição, qualidade no seu contexto. Gostei e desejo voltar. Tudo de bom, querida amiga.

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein