sábado, 27 de setembro de 2008

louvado seja!

que estrela terá acompanhado o minuto antes e depois de vires a este mundo?
que direcção teria o vento?
que dizeres segredavam os Anjos por de cima do tecto em que pela primeira vez soubeste o que era luz e o que era escuro?

onde andará o teu Anjo da Guarda?
terei eu esquecido de lhe colocar docinhos na entrada do quarto em que te nasci?
terei descurado o gesto que o fizesse guardar-te quando eu dormisse
que fizesse ele cuidar-te um dia que te fosses para muito longe…

convoco o teu Anjo da Guarda de entre os muitos que andam roçando a gente com asas transparentes
entrevejo-os pelo cair das tardes ou no começar das madrugadas
rezo-lhes que te sejam protecção e companhia
que te cuidem na falta do teu Anjo

aquele que por mal meu está de ti perdido

vou fazer-lhes doces e enrolá-los em papelinhos de cores
- papéis de seda recortados nas pontas e no centro-
colocá-los na beira das janelas, num segredo,
pelo avançar das noites como a de hoje em que a lua está gorda de luz
eles podem assim ver o sítio onde os coloco
(os Anjos, dizem, têm o sentido do olfato pouco desenvolvido e são cegos no escuro ou se lhes dá um sol de frente)

mas eu não sei se agora será ainda o tempo das oferendas a eles
se ainda vale lhes ofertar um doce
ou se é de outros prendares que eles se ficam aos meus rogos


talvez se eu os poemar em papelinhos soltos
talvez se eu fizer versos aos Anjos…

se eu versejar ao teu Anjo da Guarda
o Anjo que eu descorei de mimos
o que decerto anda por aí te procurando

talvez se lhe rezar rezas antigas que eu rememorize
que eu reaprenda e lhe diga:
"aos Anjos e Arcanjos, por seu intermédio, Senhor te peço..."

talvez…
agora penso
e se eu fizer um desenho?
se eu desenhar o caminho que vai do meu coração até ao teu?!
se eu fizer um risco fininho que o teu Anjo da Guarda siga com passinhos miúdos, demorados, como são os passos dos Anjos,
talvez assim ele te encontre
num fim de tarde, quase de noite como hoje

ouve
olha
ele está sentado no teu joelho esquerdo
(graças a Deus!)

cuida dele, que te reencontrou o teu Anjo da Guarda
abençoado seja o cortejo de Anjos que anda entre Terra e Céu
(abençoado o risco onde o teu Anjo foi andando até ao teu joelho)


mais de aqui a pouco vou colocar geleia de marmelo na janela e um verso dizendo...

(segredo: não pode divulgar-se o que se escreve aos Anjos)

7 comentários:

wind disse...

Escritora está de uma ternura linda:)
Beijos

Arion disse...

Beijos para todos, o resto digo-te depois! :)

mfc disse...

Não há Anjo da Guarda que resista a uma geleia de marmelo!
Ele vai reaparecer!

João Norte disse...

Se a geleia for boa até os anjos comem.

Mas antes podes dar um pouquito a nós.

efe disse...

geleia de marmelo? ai o caraças, atão já não é "marmelada" à janela?

Mateso disse...

Uma pequena memória lá pelo meu azul. Com a devida vénia, digo.
Bj.

Eremit@ disse...

muito belo e de grande ternura. Abraço daqui amiga

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein