quinta-feira, 27 de julho de 2006

lutas

Um dia, sei lá se foi um dia,
sei lá se não passou de ser mais que pensamento.
Sei que foi há muito tempo e me ficou como coisa dita.
Nas lutas desta vida, a desdita é que, o mais das vezes,
nem é a nossa luta que nos impede a felicidade, mas as guerras de outros.
Assim, quase tal qual me lembro.
E estou dada em recriar essas palavras.

Lutas de cada um e guerras de outros.
E o faço por me ver de mãos atadas,
Que é coisa de dizer:

sem saber que fazer e o que pensar.
Sei. A guerra regenerou ali sobre as pisadas de Jesus.
Olho as fotos que pululam na imprensa escrita e a demais.
Penso a luta de cada um.

o namoro que andava a acontecer
o parto quase a chegar
a casa nova a estrear
o empréstimo que o banco concedeu
as férias em outro lugar
o filho tão doente para tratar
a mãe que velhinha se morreu
o pai já sem memória a definhar
a peça de teatro a estrear
a tela quase a terminar
as últimas provas do livro
a escola acabada e as férias
acampar com as namoradas...


(Um exército é formado por soldados.
Tão novinhos os que andam a disparar!)


Aqui me fico que nem sei o que me faz incomodar.
Eu tenho as minhas lutas para lutar.


Líbano


Israel

6 comentários:

cidadão comum disse...

e assim com poesia se luta pela paz.

wind disse...

Escritora, muito bem!
beijos

Isaac disse...

E quando os espíritos se renderão à sensibilidade digna de banir as guerras?... Que os versos evoquem os homens de bom ânimo...

Anónimo disse...

São sempre os mesmos, os das ganâncias todas...

Maria Alfacinha disse...

É... numa guerra não há verdadeiramente vencedores, mas vencidos... são todos !
Bonito o que escreveste :-)

augustoM disse...

Há lutas que não têm dono, são de todos nós.
Um abraço. Augusto

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein