domingo, 26 de fevereiro de 2006

Máscaras

A mão ainda apoiada no rato, Marta acompanhou, distraída, o som do computador a encerrar enquanto arrumava a cadeira debaixo da mesa. Desligou o candeeeiro. A sala enorme estava quase despida de gente. Marta não precisou dizer de cumprimentos. Saíu pela porta contrária ao local onde duas pessoas ainda trabalhavam. Era sábado. Eram dezanove horas de um sábado de Carnaval. Chovera todo o dia. Marta retirou o casaco do cabide e pensou que não trouxera carro enquanto aconchegava a gola de cabedal sobre o cachecol. Teria que atravessar o largo cheio de gente àquele hora. Calçando as luvas, chamou o elevador. No espelho, percebeu o cabelo desarranjado e colocou a boina. Quando saiu do prédio de seis andares onde havia dez anos trabalhava, Marta parou um breve instante decidindo a direcção a tomar. Mais fácil era, naquele fim de tarde como em quase todos os outros em que decidia ir a pé, deslocar-se onde houvesse menos gente. Tomaria a avenida que ladeava o rio. Por aí teria sempre o passeio largo, se bem que fizesse mais uma centena de metros. E chovia. Uma chuva densa e de bagos miudos, mas contínua. Molhar-se-ía bem molhada, mas estava preparada e sentia, com um meio sorriso que não lhe chegou aos lábios, o prazer de andar vendo as luzes da cidade reflectidas no negro do rio. Caminhava já por entre uma multidão. Caminhava em sentido contrário à maioria deles, cada um cabisbaixo que se diria da chuva, mas Marta sabia ser assim em dias de secura. Eram, como ela, mais um entre muitos numa multidão buscando o regresso. Cada um, numa elevada percentagem, daqueles que ali se deslocavam, Marta pensava, se não fariam, dia após dia, um Carnaval sem mudança de personagem. Avivou-se-lhe essa imagem e foi olhando os rostos que por ela passavam. Máscaras. Marta via tantas máscaras. Passavam-lhe de frente e ela olhava-os. Passavam-lhe quase correndo e ela quase parava. Uma mulher de covas nos olhos e uma boca cerrada. Uma mulher com uma cara de rugas e dois olhos verdes decididos, mas tristes. Um homem de boca entreaberta numa palavra esquecida de dizer. Máscaras, pensou Marta.
Apressou o passso. O rio brilhava dos próprios reflexos. Marta sentiu o frio cortar-lhe a pele. Sentia-se repousada, serena. Seria a sua máscara transparente?! Não o acreditava. De um ou outro modo, todos temos essa máscara que nos resguarda, pensou Marta apressando o passo. Não se sentiu reconfortada com este pensamento. Mas, assim como assim, era Carnaval. Pensaria nisto noutro dia. Hoje, talvez até saísse com uma máscara na carteira para o que desse e viesse...


Foto de Ognid

7 comentários:

wind disse...

Fantástica prosa descritiva, a levar-nos a sentir o que a personagem sente, o uso imprescindível das máscaras que todos usamos. Foto a ilustrar bem o texto:) beijos

PS:Às vezes questiono se as máscaras que usamos não somos já nós mesmos.

ognid disse...

Todos as usamos não é Amigona? De um modo ou outro, tapando mais ou menos, todos somos obrigados a usar máscaras. Está uma maravilha o teu texto, como sempre. E fico todo babado por teres usado a minha foto :) um beijo grande.

legivel disse...

Antes de ler o teu texto, estive, vai não vai para me mascarar nesta virtual, num post onde por ventura, eu deixaria de ser o narrador real e de facto, para ser apenas uma personagem de faz-de-conta. Não o fiz. Porque a coerência da escrita e de mim próprio, a isso me obriga... com prazer, até no carnaval...

...depois li o teu post e prontos! Há tanta gente que se mascara por mim... . Parabéns!

lique disse...

Na verdade, nunca somos "tal e qual" nós. Vê lá como é complicado eu dizer isto, a mim passam a vida a dizer-me que sou "autêntica"... Tenho as minhas máscaras, todos temos. Se são defesa ou apenas necessidade de nos mostrarmos aos outros da forma que pensamos que eles desejam, não sei... :)
Bom dia de sol! Beijão

Arion disse...

Todos usamos, sim, é a maior verdade! É incrível é a profundidade da carteira para tantas máscaras de que, o mais das vezes, nem nós nos apercebemos... Beijo!

Amaral disse...

"Máscaras" e uma Marta contemplativa, atenta. Gostei outra vez da tua forma de escrever. Gostei da Marta, duma personagem quase perfeitamente construída em meia dúzia de linhas. Gostei da "forma", do "jeito" e do "estilo". Gostei dos "bagos miúdos" da chuva!...

OrCa disse...

Eu cá por falar em máscaras, gostava era de saber por que carga de água é que não me passas "cartuxo" acerca do nosso encontro, ó máscara... Então, conto contigo, ou nem por isso?

Está para aqui um homem cheio de carências, periclitante de atenções e só me aparece caixa do correio cheia, caixa do correio cheia...

Pois é, cara amiga, quero contar contigo. Mas, se não puderes vir, gostaria de contar, pelo menos, com os teus poemas. Que me dizes?

Desculpa o meio utilizado, mas por mail não estou a conseguir...

Beijos, ó máscara... Quem és tu?

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein