sábado, 2 de abril de 2005

estendais

O alguidar verde olhava-a debaixo para cima assente no lajeado do quintal. Uma manga de camisa de um azul usado, caía de cima de uma amálgama de cores molhadas. Um bolo de aniversário muito enfeitado... podia parecer. Podia. Podia a outro que olhasse o alguidar e a roupa dentro. A ela, o alguidar olhava-a. Ela nem disso encontrava modo de se ali ficar. Lonjeava. Olhava distraída. Uma distracção de ausência. Um não estar ali que sempre se lhe dava. Sempre, naquele debaixo de sol. Sempre, naquele abrir e fechar de molas. Sempre se fugia dela. Sempre se ia voando para longe de ali.
Debruçava na roupa. Erguia no arame. Ritmava, doce, num pensar que lhe abria covinhas na face. Num pensar que acentuava a nesga de olhos que o sol frisara. O sol e o de erguer a roupa. O sol e o alguidar de azul olhando-a repleto de roupa que era de ser vestida pelos da casa. E mais se alonjava de aquela roupa. Mais se ia longe daquele ali onde estendia roupa com molas. Mais, nesta roupa esticada em grande. Esta, dependurada a toda a largura: uma mola, duas, mais uma. Um roçagar na mão sobre uma cor de rosa de flores miudinhas. Das mãos, redobrada no arame, soltava-se roupa de adormecer. Um pano grande, represado em molas de cores garridas.

Voar a roupa dali e ir ela andando com esses voares. Haveria de ver muitas outras assim cadenciadas num levantar e baixar sobre a roupa de dormir.
Ela, naquele voar por cima de muitos estendais em terras outras que sonhava ali. O sol batendo forte e o olhar piscando. Ela se via arrancando as molas e levando os panos de esticar em cama de dormir.
Não. Nem era assim que ela via, agora que o sol passara debaixo de uma quase nuvem.
O que ela via mesmo, era como ela faria naqueles e em outros panos de cobrir cama. Como ela faria e como ela veria. Ela, voando com o vento que fazia vapor e assim secava a roupa. Ela, sonhava o lençol dormido.
O alguidar olhava-a debaixo, de sobre o lajeado. Um alguidar redondo todo azul. Olhou-a de tal olhar que ela se fixou nele e voltou do lonjear onde andava.
Escondeu-lhe o côncavo no lajeado. Não mais alguidar olhando-a.
Um banco. Sentou nele a saia e ficou olhando. Olhando a roupa volteando colorida.
Mais do que o calor do sol, apesar da nuvem, o corpo dela era todo quentura.


......................................

saiba porque não fui ao jantar da Pandora AQUI

18 comentários:

lualil disse...

Asssim como tu, sinto o vento parte de um espetáculo particular!
beijos

lua_sol1 disse...

Adoro ver a roupa a esvoaçar ao vento, com todo o seu colorido. Quando em passei pelos bairros piscatórios, fico deliciada. Beijinhos e bom fim de semana.

wind disse...

Belo, mais uma vez extraordinária a tua prosa poética. Fico sempre à toa para escrever algo mais. beijos*

bertus disse...

...quase de saida para um jantar de gentes "destas lides", parto, deixando para trás, com pena, esta rapariga "dos sonhos de lençóis ao vento", bandeiras românticas de "um amor a enxugar ao sol".
Tem um bom sábado e...
Intés!!

Amaral disse...

Para isto, usaste a imaginação e não só! Deste de ti um pouco do muito que tens!
Estendais, soprados pelo vento, sussurrando murmúrios, trôpegos, vexados, carregados de histórias, de mentiras e verdades amargas.

Å®t_Øf_£övë disse...

Muito bonito este conto.Parabéns pela escrita.
Bom domingo.
Bjs.

Pintelho disse...

Acabei de conhecer um blogue espectacular, sabias?? Sim, é mesmo este, o teu. Parabéns.

lique disse...

Partiste de uma situação aparentemente tão simples e pouco poética e chegaste a um texto de qualidade excepcional. Dá gosto ler-te e ver ondular a roupa ao vento. Muto belo.

Agora, sem ter nada a ver com o texto: já respondi lá no Bertus á tua provocação.:) E merecias mais!

Beijão

O Micróbio disse...

Palavras coloridas, bem no contexto da colorida fotografia...

bertus disse...

...MAS ESTA ROUPA NUNCA MAIS ENXUGA!!!!!!!!!!!!

stillforty disse...

O teu estendal é lindíssimo.
Muito boa semana para ti.
Foi um prazer visitar-te.

Dora disse...

A tua estória é tão encantatória que fiquei à espera que ela voasse mesmo com o lençol! Beijinhos e continuação de boa semana :-)

JPD disse...

Olá

Há pequenas tarefas do quotidiano que podem ter um encanto se o valor que lhes for atribuido sair, ver-se livre da rotina esmagadora.
bjs

MJM disse...

Adoro essas expressões que usas:
roupa de dormir, panos de cobrir cama, etc.
O teu linguajar resulta numa arquitectura perfeita de simbiose com a mensagem. Pelo menos, a mim, chega-me inteirinho o cheiro dessa roupa lavada, embrulhada em pensamentos a 'secar'...
;) Kisses

Anónimo disse...

Quase senti o cheiro a roupa lavada. Não estou a anunciar nenhum detergente! Bj da Fernanda que no II não deixas comentar anonimamente.

Nilson Barcelli disse...

Oh D. Seila, então a menina faz uma dissertação sobre ela (presumo que "ela" é a menina da aldeia da roupa branca) e esquece-se da gravíssima afirmação (ou boa, conforme o ponto de vista) acerca da minha pessoa?
Eu relembro, porque você devia estar "passada": o que disse foi: «eh! pá a tua é mais comprida!!!!!!!!!!!!! fixe Nilson rsss».
Sabe o que você arranjou, sua depravada? As meninas não me largam, é um verdadeiro massacre (já ultrapassou a fase do assédio) por telefone, E-mail e papelinhos com súplicas explícitas. E agora diga-me sua espertinha: provo mesmo que é a mais comprida ou fujo para o Algarve? O que é que eu digo à minha mulher?
também fiquei intrigado como é que a Seila soube. Eu sei que estas coisas circulam depressa, ainda mais com a comunicação pela internet... mas o que eu não esperava mesmo foi a sua indiscrição...

Passando de pato para ganso...
Gostei do teu texto à volta da roupa e das molas. Pela excelente escrita e pelo inusitado do enredo. Gosto quando te abeiras do precipício, isto é, quando obedeces a um desafio interior de escrever coisas mesmo diferentes das habituais. Continua a assumir esse risco porque isso é que dá gozo (no meu ponto de vista, claro). Mas não caias... rsrsrs.

Beijinhos.

Nia disse...

Chiiii...Estava entretida e deliciada com a roupa e o ventinho ,a saborear esse estar ao sol...quando de repente, chegando ao fim e olhando as molas coloridas ,me lembrei:CARAÇAS!A roupa que deixei na máquina desde manhã e me esqueci de estender!!!!
(com licença, tenho que ir lá estendê-la!)

Lyra disse...

Tu és capaz de tornar poesia coisas tão simples como estendais de roupa :-)
Sabes que te admiro pela escrita maravilhosamente diferente mas já não te digo mais para não ficares convencida ;-)) beijo

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein