quinta-feira, 6 de janeiro de 2005

...às mãos


As mãos no colo.
As mãos debruçadas na janela.
As mãos labutando
Mãos suadas

Mãos afagando um rosto.
percorrendo as linhas
todos os recantos .
As mãos descendo tontas
rolando nos redondos
roçando agudos bicos.
As mãos entrelaçando outras.
Evolam dedos
peças soltas pesquisando corpo
desenham letras em cada interstício
desdobrados afagam nervuras
Enrola-se um fio de seda entre dois dedos
Desvelos de mãos
os dedos.
Um dedo vertical na boca
silêncio enrolado.
Quatro dedos debruçados
afastado um
Sobre o rosto
descanso...atenção...espanto.
Assentes na zona média do corpo
provocação.
Passeiam os dedos num afago
o cabelo da criança, o pelo do cão
presos por um fio ao coração.
As mãos juntas
verticais
pertinho do rosto
quase o tocam
oram
pedem a um deus ou louvam.
Abrindo aquele vertical em leque
fechando logo em união e força
aplaudem.
Aquela mão dobrada
dedo que não pertence à mão
descomandado
em riste num gatilho.
dedo malvado.
Dedos dobrados
todos juntos apertados
um punho dizem
gritando esperanças
lutas
porvires desejados
sovam se descontrolados...
As mãos percorrem interiores profundos
enrodilham-se lestas precisas sábias
em torno do ser que se avizinha.
As mãos lindas do corpo.
As mãos viradas
palmas das mãos
pedindo dando
Palmas de linhas mágicas
a vida toda ali adivinhada.
Brancas as palmas
em qualquer raça
imaculadas.


Mãos de ódio e amor
As nossas pobres mãos Senhor.


imagem :The hand of God - Rodin

22 comentários:

pipetobacco disse...

{ ...

que belo texto me deixas a ler [] deixo[-te] tb

de[mências].matriz

teu corpo meu molde

de tanta energia me deixas existir
por mais alma a fundir em molde
odre, couro e tanta duplicidade
e índole que desvia, de primitivo
que lhe permite retomar vontade
faculdade, que possui teu corpo
de tanta flexibilidade e resolução
que em meu vigor deixas existir
meu corpo que é fonte e destino

teu corpo que é fonte de origem

e recordo em contento e indicação
em forma de um quadro, manancial
que corre incessantemente, óleo
tomando o corpo em fluido, brando
em construção usando fonte, forma
relevo, talha e padrão que derrama
neste teu corpo de norma, matriz

© de[mente]

beijos

... }

Anónimo disse...

Tás muito dada às melancolias... que se passa, musa do algarve? Por acaso por aqui está um frio do caraças que só o aguento com as mãos metidas em luvas. E mesmo assim a ponta dos dedos parecem pirolitos gelados em píncaro de verão...
Um abraço
José Gomes

Sofia disse...

Sempre achei que das mãos poderiam nascer muitas emoções ...

Tim Bora disse...

Reparo agora lendo este poema e esfregendo as mãos, não de contentamento mas para as aquecer, na quantidade de gestos que fazemos num acto reflexo e nem sequer nos apercebemos. Têm a capacidade de comunicar e o fantastico poder de transmitir sensações através do tacto e raramente lhes damos valor. Acho que nunca tinha pensado nas mãos desta forma.
Beijo.

bertus disse...

...belo poema o teu . Que foi escrito, moldado, com os dedos das tuas mãos. Deixaste aqui uma parte do inventário do que as mãos podem fazer. Para que conste e fique registado para memória futura.
Um beijo amigo e intés!!

Anónimo disse...

As mãos... Estas mãos de Rodin... o teu Poema... Tudo em conjugação perfeita... :)**M.P.

sotavento disse...

"Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz."
Manuel Alegre

wind disse...

Genial! Escreveste tudo o que as mãos fazem:) Ainda por cima adoro mãos:-) Beijos*

ognid disse...

As mãos podem fazer tudo e ser tudo. De amor e de ódio, como dizes. Que sejam de amor porque de ódio já há demasiadas. Beijos, marafada.

mfc disse...

Maõs que tudo fazem, sentem e conhecem!
E os encontros e desencontros de 4 mãos fazem a criação.

Pintelho disse...

As mãos...

fernanda dias disse...

Ainda esta noite olhava as mãos do meu bébé e pensava com esperança, que espero que elas apenas façam o Bem, pela sua vidinha fora. Beijo querida e bom fds

O Micróbio disse...

Uma singela homenagem às mãos... eu tenho vergonha de mostrar as minhas. Roo as unhas! :-))

elisa disse...

Esta é a minha primeira visita comentada.Gostei muito da poesia, das mãos que descreves e do teu canto da blogosfera.Beijinhos:)

Aran disse...

Magnifica escultura..... lindo! adorei e com poema a condizer!!! beijinhos e bom ano

Aran disse...

Magnifica escultura..... lindo! adorei e com poema a condizer!!! beijinhos e bom ano (Aran_aran)

Luis disse...

Se o tacto tivesse um lugar de destaque no leque de sentidos, mais importante que a vulgaríssima visão, as mãos roubariam aos olhos o estatuto de musa preferida do mundo dos poemas.

lique disse...

O que fazemos, o que transmitimos, o que expressamos com as mãos é quase inesgotável. Sempre fui fascinada por mãos e olhos. Onde toda a expressividade está concentrada. Beijos, mulher!

MWoman disse...

O que dizem as nossas mãos! Tanto, tal como os olhos. Por isso o grande fascínio que sinto por ambos...Bom fds e muitos beijinhos.

Pauxana disse...

Pois eu é que acho imperdoável nunca ter vindo aqui. Obrigada pela visita ao meu blog das letras (http://dasletras.blogs.sapo.pt)

pandora disse...

as mãos dizem de nós o que os olhos às vezes querem esconder. lembro-me das mãos pequeninas dos meus filhos bebés, as mãos dos meus homens (sim, pq sempre os escolhi com mãos lindas e bem faladoras!), e as mãos da minha mãe... que lindas eram as mãos da minha mãe.

e no meio disto tudo não axo piada às minhas... curioso né?

beijinho pra ti e obrigada pelas belíssimas lembranças.
pandora

ALUENA disse...

Querida amiga VISITA-ME TENHO UMA PRENDINHA PARA TE ENVIAR E PRECISO DO TEU EMAIL. BJS.

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein