quarta-feira, 22 de setembro de 2004

Devagarinho no Outono


Acaba-se imperceptivelmente o fulgor do Verão
Vai-nos caindo sobre...
esta lassidão de Outono.
A luz já não é bem luz
mas uma pasta que se mistura com a Terra.
Dela se ergue uma bruma da sua cor,
diluída, esparsa.
O cheiro entra-nos na pele
absorve-nos
dispensa as narinas.
é acre
intenso
quase agressivo.
As estrelas baixaram no céu
teimosamente entre nós.
Ensombra-nos uma ténue cortina-
futuras nuvens
ainda medrosas de o serem.
O céu já não é a donzela
desconhecedora de vergonhas
descuidando-se brilhante no seu virginal fulgor.
É, agora, pudica menina
tentando encobrir a nudez
em indiscreta cortina translúcida.

Se Paz houvesse, ela seria proclamada em cada início de Outono!

(As fêmeas deveriam sempre aleitar nesta estação.
Então, os vagidos das crias sequiosas ou o ronronar da saciedade, soariam abafados docemente na penumbra, de manhã a manhã, como uma almofada de lã fofa e transparente e as crias, rolando dos leitos, vagueariam nesta maciez onde a gravidade quase se anula.)

Se houvesse Paz... seria sempre no começar do Outono!


(de um manuscrito anterior a 1997)

19 comentários:

Anónimo disse...

Goastaria de escrever algo bonito no comentário, mas só me sai, belo e lindo:) wind.

Anónimo disse...

Como eu adoro o Outono! Malandra

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
ognid disse...

Que bonito o teu poema. Também sou fã do Outono :) bjs

Cecília disse...

O outono é a calma. É o recomeço. São os vermelhos e os castanhos. São as castanhas. São as primeiras chuvas.
São as roupas que já não servem. São...
Um araço

Anónimo disse...

Então se o Verão está a começar agora... :) Mto bonito!
http://sunshine.blogs.sapo.pt/
http://pequenitos.blogs.sapo.pt/

Anónimo disse...

Começou hoje, o Outono... :(
(Estou almareada de tanto blog ler mas, finalmente, encontrei-te!...:)

Seila disse...

Este comentário anterior...de quem é?!! um kiss

O Micróbio disse...

Deixa passar esta vaga de calor que depois já falamos do Outono... :-))

Anónimo disse...

Olá...bom dia!! Passei para agradecer a visita e desejar um lindo final de semana!!! Bjusss

Quase um Anjo

fernanda dias disse...

Deste-me paz.... obrigado. Beijo grande

Anónimo disse...

Está curiosa a menina?
O tal "comentário anterior" vais ter que descobrir de quem é... :)

lique disse...

Anda toda a gente a suspirar pelo Outono... O calor já cansa e precisamos mesmo de um céu que seja "pudica menina/tentando encobrir a nudez/em indiscreta cortina translúcida". Sinceramente, adorei o teu texto. Tu espantas-me em cada dia. Beijinhos, mulher.

bertus disse...

Prontos; vamos lá experimentar um diálogo que penso vir a ser interesante pois tem tudo para o ser: idades próximas , alguns leitores comuns, interesses diversos nos textos. Sei..lá o que mais escrever Seila. A ver vamos, assim dizia o cego, ou aqueles que pouco vêem mas que se imaginam lentes potentes de observatórios e os que usam óculos como eu...que não sou vaidoso mas sim curto de vista.
O teu poema é muito interessante mas ainda não o acabei de ler uma vez que o título me insinua que não tenha pressas...e vou seguir o conselho. Não te ofendas se o acabar no Natal...
Inté à próxima conversa, jovem poeta outonal.

Ana Russo disse...

E qual vai ser o teu próximo post ??? Talvez eu tenha por aqui alguma surpresa... no meu baú de menina/mulher :) Bj

sonia disse...

e este outono que está ainda cheio de sabor a verão... beijinhos

vmar disse...

O poema está bonito, com palavras e imagens sugestivas, talvez condizente com finais de Setembro noutros anos passados, que neste, com o calor que tem feito, 30 e 35 º graus, mais parece que estamos no auge do Verão e não com o Outono à porta. Mas, tá bem, viva o Outono!
Infelizmente, quanto à Paz, só se for um pouco de paz interior em cada um de nós… Com o que por aí vai de actos violentos e desumanos, não me parece que a Paz na Terra comece este Outono… infelizmente.
Um abraço para ti.

MJM disse...

Como na história da garrafa estar, para uns meio cheia, para outros meio vazia, assim o Outono poderá ser visto como pós-maduro ou pré-podre :-))
Particularmente, o Outono 'faz-me doer'.
O teu poema, não! Gostei dos teus tons de escrita.
kiss

rajodoas disse...

Olá cara amiga, aqui estou a retribuir a visita e relembrar a única alternativa que nos resta no actual quadro político, ironizar com estas cavalgaduras. Grato pelas palavras simpáticas, com um abraço do Raul

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein