quinta-feira, 22 de agosto de 2013

em vez de prece

Teimosamente, deixas que os dias se encarreguem.
Os pés incham-te.
As veias das tuas pernas parecem cordões lilases de um novelo que se tivesse desfeito em linhas soltas e as enleasse; linhas em torno delas, salpicadas.
E os olhos, esses, estão cada vez mais saltados das órbitas, e sem brilho.
Baços os teus olhos castanhos, e um mais fechado que o outro. O esquerdo a ressentir-se da tua teimosia em não tratares o corpo.
A alma eu não sei se alguma vez percebeste que essa também precisa de tratamento ou engelha, enrodilha-se, deixa mesmo de servir para o que seja. E sem alma a gente é menos ainda que a formiga, que essa, dizimado o carreiro que enchemos de veneno, o carreiro que atravessava, de uma ponta à outra, os azulejos da banheira, aparece, em proporções semelhantes, na extremidade oposta.
Mas tu não és uma formiga, e eu receio que um dia destes nem seja de veneno, mas de ti mesmo, que desapareces.

2 comentários:

wind disse...

Forte, muito forte!
Beijos

Fanzine Episódio Cultural disse...

Olá!! Este é um convite para você participar do “Grupo Academia Machadense de Letras”, onde você poderá publicar gratuitamente seus poemas, contos, crônicas, livros, música; textos sobre saúde, releases de CDS e DVDS, eventos, lançamentos, sugestões de filmes, Artes, Shows, teatro, cinema, dança, artesanato... Acesse o link abaixo e no canto superior direito clique em (PARTICIPAR). Grande abraço!
---------------------
https://www.facebook.com/groups/149884331847903/
OBS:
Em novembro (2013) a Academia Machadense de Letras, localizada em Machado, sul de Minas, realizará o IX Concurso de Poesias "Plínio Motta" (tema livre). Assim que sair o regulamento eu avisarei a todos Contamos com a sua participação.

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein