terça-feira, 25 de junho de 2013

Florentino barbeiro



Trazia no pescoço um lenço num tecido vistoso. E do lado esquerdo, que é o lado do coração, um lencinho vermelho assim como sangue a ensopar-lhe o branco do casaco.
Nem seria por ele estar chegando que soavam foguetes.
Florentino chegava no barco e vinha por trabalho.
Vestidinho de branco, não fosse o lenço no pescoço e mais o encarnado do lencinho no bolso do casaco, e o sapato que era em verniz negro como o seu cabelo, uma carapinha farta besuntada a brilhantina por baixo do chapéu de palhinha com fita igualzinha à cor do fato que vestia, e era branco.
Foi como o viu Maria Rosa, e ela mesma conta:
– Era um mulato escuro e vinha tão bonito no seu fato imaculado!
Era o dia da Festa e daí os foguetes. Era também o dia de chegar o barco.
Não o sabia Florentino, como não sabia que Rosinha o olhava lá de longe. Florentino encandeado do sol que brilhava na janelinha onde ela assomava numa das casinhas da aldeia. Calçada do Cipreste era onde ficava a casa de Maria Rosa.
Brilhava um sol de início de Verão que também cintilava no campanário da Igreja, e na areia da praia e nas ameias do Forte.
E Florentino que já vira muito, ainda assim, embasbacava.
Ele a dar duas dobras nas calças, e a mostrar a peúga muito alva.
O marinheiro tinha avisado:
– Arregacem a roupa – estavam eles a entrar no bote e eram, além de Florentino, um homem que trazia galinhas num cabaz, e uma mulher anafada que tinha jeito de ser quem deitaria cartas e faria nascer os meninos lá na aldeia.
Lá ao longe, fora do olhar de Florentino, era Maria Rosa a esconder-se na sombra de um rendado de cortina, que nem que ele a não visse devia recatar-se. E dizia.de si para consigo:
– Que lindo homem está chegando.
Rosinha numa janela da casinha que ficava para lá da tira de areia, no único cabeço da aldeia aconchegada nas muralhas do Forte. Não a sabia Florentino a chegar no bote, tinha ficado o barco grande atracado, ao largo. E mal jogou um pé fora do barquito, veio uma ondinha de um levante que se amodorrara e lambeu-lhe o linho alvo do tecido de que era feito o fato. Na janela, Maria Rosa riu-se de maldade. E riu ainda mais quando a areia recebeu o sapato de Florentino como se o devorasse.
Florentino a entrar ensopado na Aldeia da Senhora do Forte, e era afinal como entrava todo o mundo que chegava pelo mar, antes de estar acabado o cais. Trazia na mão uma maleta em cabedal curtido que era onde vinha o material de que faria uso, ali, como já fizera em outros lados.
O mulato todo vestido de branco, não fosse o salpico colorido que trazia nos lenços e nos sapatos, havia de dar a conhecer os seus serviços a um e outro.
Soube desde logo que havia de fazer bom negócio a olhar os homens barbudos e bem servidos de cabelo que cirandavam pelo areal.
Florentino, barbeiro vindo de terras quentes mais a sul, não sabia que, à sua chegada, estava, a namorar-lhe outros dotes, a menina mais bonita da aldeia.
E nem ele nem ela adivinhavam que o casório deles se faria noutro mês de começar o Verão, quando fosse inaugurado o cais e aí baptizado Cais das Dunas. Quando fosse outra Festa em honra da Senhora do Forte.



Lido na Festa do 20º aniversário da Aldeia da Nossa Senhora do Forte - 22 de Junho de 2013

1 comentário:

wind disse...

Adorável descrição e que ternura de conto:)
Beijos

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein