sábado, 4 de junho de 2011

alucinando com Rene

hoje só me vêm à cabeça quadros do Magritte
e nem entendo, que o meu deveria ser um dia semelhante ao de todo o cidadão neste recanto, hoje, dia de meditação, dia para deixar que o conteúdo assente, crie fundagem, e disso surja a decisão, se ainda não tomada
e eu neste despropósito: as telas insistentes de cada vez que cabisbaixo, busco o ângulo necessário, a posição para que reflita em boas condições
são sobretudo os rostos... 
 
e é recorrente a tela do cachimbo...


vou tentar uma reflexão condigna, mas assim não prometo



5 comentários:

Mada disse...

A reflexão remete neste caso para mais do mesmo, sebastianismo e ilusão óptica...mudar para ficar igual.
Como diz Quino: “ninguém tem vergonha de que as multinacionais tenham mais força do que os políticos".

wind disse...

A m**** continua:)
Grande Magritte!
Beijos

heretico disse...

ola, ola...

beijo

Anónimo disse...

Fátima, ando com problemas com o meu blogue e não consigo comentar a não ser como anónimo, opção que não existe no intimarte.
Fica aqui o comentário que queria lá fazer: está lindissima! Óleo?
Mena

expressodalinha disse...

Rostos dem cara sempre me fizeram confusão e medo. Porque será?

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein