terça-feira, 17 de novembro de 2009

o largo

Às vezes penso: que eu raramente o faço, mas acontece.
E quando se dá, canso-me, sinto-me febril, tenho tonturas e tremores. Fica-me uma dor dispersa. Sinto como se fosse uma ferida que arde pelas tripas, e uma angústia que se esfarela nas palavras ditas e nas letras.
Aconteceu-me ontem.
E nem seria necessário que saisse de casa. Já me aconteceu parecido no meu quarto. Mas ontem foi estranho. Estava em plena praça. Um espaço amplo. Eu vinha da cidade e queria... sei lá bem o que eu desejava naquele instante, senão que não me tivesse acontecido. E eu nem ainda sabia...
Apesar do mês de Novembro transcorrendo, dava-me, em cheio na nuca, um sol muito quente, e eu com o pescoço a descoberto do cabelo que costumo ter solto, e tinha atado num desgracioso carrapito.
Tudo contra: o sol e a pele nua de qualquer protecção.
E aquela praça que crescia a cada passo que eu ía dando. E aconteceu em parcos dois ou três segundos: eu a ficar mole, de cara enviesada para aquele sol de quase Inverno a brilhar com despudor de Julho: eu a pensar, eu que nem tenho o costume.
Deu-me em azia e começaram os tremores, e umas bagas frias a pingarem-me da testa e a escorrerem, geladas, sobre cada uma das fontes.
Mau aspecto é o que eu deveria ter naquele momento em que me ocorreram pensamentos - e nem eram pensares de muito esforço, assim como associações de ideias. E nem um pensar solto, criativo. Nada disso. Era simplesmete eu a tentar resolver uma questão que parecia simples: como faço para sair do largo? Apenas esse pensamento a martelar-me, e eu sem dar sequer um passo, que não havia rua para me levar dali a outro sítio, e nem uma porta de prédio, uma janela que eu abrisse como se fosse assaltante. Nada de nada, a não ser espaço, dali ao infinito. Nem um muro para saltar, uma parede alta a rodear aquele sem fim de um e outro lado: que era igual, qualquer que fosse a direcção em que eu olhasse. Um largo sem limite, e eu a pensar em como fazer para me livrar daquela imensidão.

7 comentários:

Paula Raposo disse...

Muito desagradável essa sensação que nos percorre às vezes...sim. Quando por acaso pensamos...
Beijos.

wind disse...

Escritora, interpretei isto como uma excelente descrição de agorofobia.
Beijos

expressodalinha disse...

Indiscutivelmente agarofobia, salvo se fôr uma metáfora. Eu tenho essa fobia. Ataca quando menos se espera, em lugares abertos (agora=largo em grego. Impossível pensar em ir a um deserto. A mim qundo me ataca, tenho de me aproximar ou deitar no chão e agarrar terra. Boa sorte...

francisco disse...

e depois tocou o despertador e o largo derreteu?!

;)

Helena Teixeira disse...

Olá!
Uma grande amiga minha,que sofria de anorexia,chegou a sofrer também de agarofobia.Não consegui estar na sala de aulas,nem no pátio,nada onde houvesse muitas pessoas.
Deve ser uma sensação aterradora.

Jocas gordas
Lena

P.S.:
Aproveito e deixo um convite: participe na Blogagem de Dezembro do blogue www.aldeiadaminhavida.blogspot.com
“O tema é: O Natal na minha Terra”
Basta enviar um texto máximo 25 linhas e 1 foto para aminhaldeia@sapo.pt até dia 8 de Dezembro. Participe. Haverá boa convivência e solidariedade!

Quase Blog da Li disse...

Pesadelo!!!

Com sol ou sem ele,
sem dúvida
é o espaço que incomoda...

日月神教-向左使 disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,正妹牆,情色視訊,愛情小說,85cc成人片,成人貼圖站

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein