sexta-feira, 4 de março de 2005

Pôr de luz



Brilho de incandescente feito
cada degrau reluzindo
branco
e a cor...todas as cores...
resguardada
colorida.... branquinha
a escada.
Encandeava o quem que a olhava.

Sentado no degrau do meio,
enroscado num degrau a meio,
o Homem.
Sombreava um tanto.
O brilho encurvava ali,
naquele de seu redondo Ser,
naquele degrau do meio.
No meio de uma escadaria
fazia sombra, fazia desluzir.
Acima e mais abaixo... a luz.
Ali... o Homem,
num redondo encolhido,
uma sombra em degrau
a meio da escadaria.
De verdes olhos olhava
de verdes olhos, o Homem via.
De um olhar de luz, o Homem
ergueu-se
do fundo de um Eu,
olhou de encandear,
olhou de se desensombrar.
A sombra deslassou acima e abaixo
O brilho sumiu devagarzinho
milímetro por milímetro de baixo a cima
até um só redondinho
um de brilho pequenininho
um nadinha de luz no cimo.
Depois desse redondinho,
escureceu.
Ensombreou de negro a escadaria.

No degrau do meio
devagarinho...a luz.
Brilho de encandescer
Um redondinho de brilho
Um brilho de verde olhar
Todo o brilho ali...
num degrau do meio da escadaria.

Rebrilhando de luz
o Homem descansou.

18 comentários:

TMara disse...

Maravilhoso olhar de luz sobre o homem/do homem. Magníifca conjugação da palavra com a imagem, fundda eluminosa imagem. Vou roubar-te o poema p/ enviar a uns amigos com quem troco poemas. Claro k irá identificado, nem como o blog. Bom f.s Bjs e ,)

wind disse...

Não sei que escrever. Às vezes deixas-me sem palavras com o que escreves, apenas consigo sentir a beleza da tua poesia ou dos teus textos:-) beijos*

josé gomes disse...

Oh marafada amiga.
Como não recebi o mail que tu disseste que enviaste (ai estas algarvios!!!!) vou copiar o poema do teu post de hoje.
É o que percebi do comentário que deixaste no Movimentum...
Abralos, bom fim de semana, muita chuva, muito frio, muitos raios, muitos coriscos, muito granizo... todas as coisas boas, eheheheheh (endoideci de vez!!!! :0P

Micas disse...

É tão bom vir aqui beber um pouco da tua Luz! Gosto imenso deste teu espaço. Beijo e bom fim de semana

Professor Pardal disse...

tou aqui a ler e vejo talento... tens que esperar um bocado pelos meus comentários é que tava a tentar ler. vou contiuar a ler. Vou boltar linkar e comentar.

titas disse...

Esta coisa linda que acabei de ler vai aparecer lá em casa um dia destes... olaré, pois vai!
com a indicação, claro está, de que foi gentilmente gamado a...
//(º_º)\\ um beijo da titas

ognid disse...

O que é que queres que eu te diga? Sem repetir os outros e o que já te disse antes? má que jetos deb :) só se for mesmo isto. Porra, que mania a tua de me deixares sem palavras. Qualquer dia passo por aqui e deixo só - beijos, marafada.

ognid disse...

Eu de novo. Esqueci. Agora a foto... no comments. Porque é que não apitaste? ;)

Tim Bora disse...

Agradeço o teu comentário. Acho que esta nostalgia estará relacionada com alguma crise de meia idade, o que nem é mau sinal. Mas já vejo a luz ao findo do túnel(?), ou da gruta(?) ou da mina

Tim Bora disse...

E um óptimo fim de semana.

Juiz Árbitro disse...

Venho convidar-te a ti e a todos os visitantes do teu blog q se inscrevam no concurso do blog "Na Blogosfera".
Um abraço e bom fim de semana.

Menina_marota disse...

Brilhante este poema... "...

"...De um olhar de luz, o Homem
ergueu-se
do fundo de um Eu,
olhou de encandear,
olhou de se desensombrar...."

Perfeito...

Abraço e bom fim de semana ;-)

lique disse...

Desta vez fiquei sem saber o que te dizer, mulher! Páras de nos espantar, se faz favor? Cada vez que aqui entro fico a ler, a reler e pergunto-me como é que se comenta a tua escrita. Olha, deste poema só posso dizer que é brilhante ( não, não estou a gozar!). Já foi dito? Pois foi. E é verdade. Beijão

josé gomes disse...

Seila,
Li o "Pôr de Luz" com todo o sentimento que tentaste transmitir às palavras.
Os aplausos dirigi-os, directamente para ti.
Gostaram muito do poema.
Parabéns por mim e pelos presentes na Sessão de Poesia de Vermoim.
Bom domingo.

José Viriato disse...

Parabens.
Muito suáve muito bonito.

Nilson Barcelli disse...

O teu poema é brilhante, ou antes, rebrilhante.
Gostei destes degraus...
Beijo grande.

BlueShell disse...

Lindíssimo...Jinho. BShell

Poemas de amor e dor disse...

Retomo hoje as minhas não esquecidas visitas. Tenho andado em viagem… O teu livro cheira a flor de amendoeira e tem o colorido do Algarve. Foi mais uma vez com prazer que por aqui andei.
Rogério

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein