sábado, 19 de fevereiro de 2005

Longa espera


No fim da espera
quando acabar este silêncio
num ruído de alegria
ou num rugir de desesperança,
choverá!
Finalmente...
choverá!
Quando vires chover,
acredita:
é o milagre das lágrimas!
O sol chora,
finalmente!
De uma a outra Primavera,
soltam-se lágrimas!
É o nosso sol a poder libertá-las
num ruído de alegria
ou num rugir de desesperança...

19 comentários:

antonio disse...

O Zecatelhado deseja a todos os companheiros blogonautas um santíssimo fim de semana.
Aproveita ainda para desejar a melhor das sortes ao partido ou coligação das vossas preferências.

Um abração
Zecatelhado

bertus disse...

VIVA a CHUVA!!

E para tua
imensa alegria
choverá a potes
aos kilolitros com fartura.
dançarás nua
será uma folia,
para que notes
que não chover é, contra-natura.

Poema dedicado à minha amiga de estimação Seilá...se chove!!
Bom fim de semana e intés!!

bertus disse...

...esquecimento imperdoavel:
de te dizer como estás bem na fotografia; vê-se com alguma dificuldade o mar(?!) e o arvoredo. Mas contigo acontece precisamente o contrário: estás linda e perceptiva com os teus longos cabelos negros e os olhos azuis-celeste! Celeste? não! Seilá!!

wind disse...

É sempre bom chorar seja porque for, liberta a alma:) E a chuva limpa tudo:-) beijos:)***

lique disse...

Desculpa que te pergunte: enquanto não chover, vais fazer só textos e poemas a invocar a chuva? Sem desprimor para os textos que são belíssimos.
Que tal experimentar a dança da chuva? Pode ser que resulte. :) Beijão

Tim Bora disse...

Vais ver que chove. Provavelmente choverá em Agosto quando estivermos a gozar um período de merecido repouso desejando dias solarengos e praias quentes.
(Já agora aproveitava para te pedir para me reencaminhares o mail com as instruções para colocar a foto no haloscan que eu não estou a perceber patavina)
Bjoca e bom fim de semana

Micas disse...

Chorar faz bem, e a chuva limpa. Pena que teima em não querer cair por esses lados. Beijinho grande e bom fim de semana

Anónimo disse...

Podem ser de alegria e até de frustração, as lágrimas que brotarão amanhã.
Os silêncios serão certamente quebrados, mas o astro lá no alto brilhará sempre, ainda
que por vezes de modo tímido.
Apenas as nossas esperanças se sobressaltam.

blogquisto

Cecília disse...

Que venha a chuva! Teremos, então, as 'Águas de Março'...
Menina não tenho conseguido entrar nos teus comentários. Deve ter sido problema meu.
Beijinhos!

JPD disse...

Achei admirável.
Beijinho.

aflores disse...

Mesmo chovendo também faz sol;)

Rah disse...

nossa, gostei muito!!! virei sempre te visitar!!!
a chuva é um personagem quase com vida.. ela é mensageira de vida e serve tmb para palco de nossas tristezas. beijos e girassóis, Rah =)))
ps: obrigada pela visita

Rah disse...

esqueci de avisar, eu sou a Rah do http://blogdamygirl.blogspot.com
por isso agradeci a visita.
beijooo

Seila disse...

ora vivam continuem eu vou só fazer uma experiência:)

MWoman disse...

Que seja num ruído de alegria e num rugir de esperança! Já anseio pelo cheiro da terra molhada!Beijos

manuel disse...

que chovam sempre as tuas palavras! sejam elas quais forem: poéticas e sensíveis, ou desconcertantes de humor inteligente, como tu sabes...

beijos

Aran disse...

Gostei muito... está mesmo muito bonito! :) beijinhos

MONALISA disse...

Gostei deste poema da chuva e das lágrimas. Beijo

sotavento disse...

Passaram foi uns carros aqui à porta a apitar, será a isso que te referes, quando falas em ruído?!...
(Sabes que em Fátima, de agora em diante, todos os dias se reza a pedir chuva?!... E que os pedidos dos fieis chegaram também via e-mail?!... lol lol lol Isto terá a ver com quê, perguntas tu!...)

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein