quarta-feira, 8 de setembro de 2004

despedida

Oh! sapinho, eu desisto
Eu entendo-me mesmo é com o meu sapinho!
Não me abandones que eu sem ti ando perdida!
Tento reencontrar a forma e sai sem este carinhoso aspecto que coloquei aqui...
Sem ti, sapinho rafeiro e arredio, mal educado e fugidio, eu fico mesmo sem partido!!!
Agora vou para outras lides...
Vou, porventura deixar este cantinho por uns tempos e nem sei se vou encontraroutro...
Hoje levei o dia procurando poiso...uma casa...
Nada me encantou - a sala mal iluminada, os vizinhos barulhentos, outras linguagens que me não entendem nem entendo...
Voltei...
Fiquei olhar para este espaço e a indolência própria da nostalgia, afagou-me
Recostei-me e fiquei olhando...
Sapinho não sejas assim - pintei a casa toda, arrumei a sala, tenho os livros nos locais que conheço...
Bolas e assomo à janela e conheço todos os transeuntes, o homeme da mercearia da esquina, a mulher que passa todos os dias pela tardinha, os ninhos das andorinhas...
Terei que sair daqui?! vai custar-me muito!

Sem comentários:

adoro estes espectáculos - este é no mercado de Valência

desafio dos escritores

desafio dos escritores
meu honroso quarto lugar

ABRIL DE 2008

ABRIL DE 2008
meu Abril vai ficando velhinho precisa de carinho o meu Abril

Abril de 2009

Abril de 2009
ai meu Abril, meu Abril...

dizia ele

"Só há duas coisas infinitas: o Universo e a estupidez humana. Mas quanto à primeira não tenho a certeza."
Einstein